Assista nossos Programas

domingo, 12 de julho de 2015

CACHÊS DA VIRADA CULTURAL ESTÃO DESAFINADOS


















Por: Claudia Souza


A Virada Cultural que aconteceu em São Paulo nos dias 20 e 21 de junho de 2015, marcou a cidade pela preocupação em atender todas as necessidades culturais da população, mas os cachês deveriam ser mais democráticos também.

Segundo o Secretario da Cultura Nabil Bonduki, a economia com os shows internacionais proporcionou um maior aproveitamento para a verba designada aos artistas nacionais (ideia ótima). Durante a coletiva de imprensa mencionou que com o cachê de um músico estrangeiro, foi possível pagar uma roda de choro com 130 músicos se revezando por 24 horas.

Na área musical os cachês pagos entre os famosos ou seja, nomes importantes dentro da música popular brasileira não foi nada democrático.  Caetano Veloso, foi contemplado com o maior cachê, no valor de R$150 mil, seguido por Fábio Junior com R$100 mil e Daniela Mercury com R$99,5 mil, enquanto Hermeto Pascoal, Arismar do Espírito Santo e Nenê, receberam apenas R$30 mil. Pianistas famosos e tradicionais na história da música brasileira receberam em torno de R$6 mil. As bandas iniciantes e de artistas que realmente precisariam de um incentivo maior para mostrarem sua arte, não receberam mais do que R$1500,00 (a banda).

Com um orçamento de R$ 14 milhões que representa apenas 3% dos R$410 milhões liberados pela administração, segundo a Folha de São Paulo, Lenine recebeu R$90 mil, Edson Gomes R$75 mil, Nando Reis R$72 mil, Demônios da Garoa R$45 mil e Emicida R$40 mil.

Seria de bom tamanho que se pudesse equalizar os cachês de eventos como a Virada Cultural e contemplar em pé de igualdade os artistas participantes. Entendemos que alguns artistas atraem mais público do que outros, mas a Prefeitura de São Paulo deveria contemplar e valorizar os artistas locais.

São Paulo é uma cidade que penaliza os seus músicos devido a falta de estrutura e suas leis de incentivo que contemplam em grande parte a infraestrutura e em menor parte o fazedor da arte. Empresas de som, equipamentos, iluminação, enfim, recebem valores maiores do que os cachês dos artistas que lamentavelmente fazem parte do mesmo pacote de incentivo.

Na década de 80 a cidade de São Paulo dispunha de inúmeras casas de shows, boates, barzinhos e ruas inteiras com casas noturnas com música ao vivo. A criminalidade, falta de segurança, lei do silêncio, entre outros fatores, fizeram com que os músicos fossem substituídos pelo famoso karaokê, seguido de música eletrônica, com apenas um Dj recebendo para animar a festa. Logo depois, com a lei do Psiu - Programa de Silêncio Urbano da Prefeitura de São Paulo, grande parte desses bares foram desativados e pouco incentivo fiscal para abertura de novos locais com entretenimento ao vivo foi disponibilizado.

Aos músicos anônimos da cidade só resta aproveitar o espaço público, que foi uma das iniciativas aprovadas na gestão do prefeito Fernando Haddad, no dia 29 de maio de 2013, através de um decreto que regulariza as apresentações em praças, parques e ruas sem a necessidade de licença. De acordo com a lei nº 15.776, os artistas de rua não podem cobrar o público, mas podem passar o chapéu para conseguir doações sem que sejam considerados comerciantes ilegais pela polícia. Os artistas podem vender produtos de sua autoria, como CDs, DVDs livros e afins. As apresentações não podem obstruir o trânsito de carros ou pedestres, e também não podem ser patrocinadas por nenhum tipo de empresa.

Todavia, sabemos que o que mais os artistas gostariam é de ter um palco com som equivalente às suas necessidades de trabalho. Por isso, seria de bom tom que a Secretaria de Cultura de São Paulo, viabilizasse junto às demais secretarias, a humanização e reurbanização de praças, com construção de coretos capazes de abraçar os trabalhos de diversos seguimentos da arte. Essa seria uma medida paliativa para ajudar os músicos de São Paulo, mas mesmo assim ainda está longe de atender as necessidades desses músicos trabalhadores.