Assista nossos Programas

sábado, 6 de junho de 2015

Juca Ferreira debateu políticas culturais em Santos

"Políticas públicas não são desenvolvidas em gabinetes de repartições públicas, mas sim dialogando com a sociedade˜, afirma Juca Ferreira. (Foto de Janine Moraes)
Artistas, gestores, estudantes e fazedores de cultura de Santos participaram, na tarde desta terça-feira (2), da Roda de Conversa com o ministro Juca Ferreira, no Teatro Guarany. Também fizeram parte da roda os secretários de Políticas Culturais, Guilherme Varella, e da Cidadania e da Diversidade Cultural, Ivana Bentes, além do secretário municipal de cultura de Santos, Fábio Nunes. O objetivo do encontro foi trocar informações, debater ações e políticas culturais, além de aproximar o Ministério das demandas da população local.

No início do evento o microfone foi aberto às questões dos participantes. Foram ouvidas 23 pessoas e, entre as perguntas e pleitos, estiveram temas como ampliação de bibliotecas públicas no País, criação de centros de apoio ao escritor, criação de universidades livres de arte, políticas e investimentos direcionados aos pontos de cultura, dúvidas sobre eficácia dos editais, reestruturação da Funarte, preocupações com o corte orçamentário, entre outros.

Juca Ferreira começou seu explanação explicando o motivo de sua presença na cidade e o objetivo da Caravana da Cultura. Para ele, apenas com o diálogo é possível construir uma política pública cultural de sucesso. "Minha presença aqui não é para substituir recursos e verbas. Políticas públicas não são desenvolvidas em gabinetes de repartições públicas, mas sim dialogando com a sociedade", afirmou. "O governo tem obrigação de ir para a linha de frente dialogar com a sociedade para construirmos juntos um ambiente público de respeito no Brasil. E a cultura é projeto fundamental de desenvolvimento do País", destacou.

Em seguida, o secretário Guilherme Varella completou reforçando que o diálogo é um direito cultural e o Ministério preza por isso desde o primeiro dia de sua atuação. Também respondeu questões sobre desafios da instituição. "'É necessário culturalizar os processos educacionais, encontrar políticas concretas que sinalizem essa aproximação. E estamos num momento muito bom, com boa interlocução com o Ministério da Educação e com uma nova secretaria focada nessa questão", disse. Outro desafio apontado pelo secretário é conseguir fazer, no campo cultural, uma distribuição federativa, de forma que os repasses de recursos aconteçam de forma inteligente, com diretrizes comuns, de forma equilibrada e descentralizada. Também citou o empenho do Ministério na busca de retomar a posição de ser referencial teórico, se reaproximando das universidades. "Estamos promovendo uma série de seminários, submetendo as políticas públicas ao crivo desses pensadores, alinhando nossas pautas". Para isso, também está sendo feita uma aproximação com o IBGE, na busca de melhores informações, indicadores e pesquisas para avançar na formulação das políticas culturais com precisão.

Sobre os Pontos de Cultura, a secretária Ivana Bentes destacou a importância dos mesmos, que hoje estão presentes nos 27 estados brasileiros e em mil municípios. "Estamos começando uma nova política de apoio e estimulo aos pontos, não só em termos de recursos públicos, mas de articulação e outras políticas, principalmente sobre ocupação de espaços ociosos do Estado", disse. Ivana aproveitou para divulgar a auto declaração que pode ser feita pelos pontos de cultura para que recebam uma certificação do MinC e, assim, ainda mais reconhecimento. Sobre críticas aos editais, a secretária reforçou que se trata de uma ferramenta extraordinária de mapeamento de projetos qualificados no país. "A ideia é transformar o edital num mapa da rede cultural no Brasil, uma cartografia dos grupos culturais, para que se pense em uma política também para quem fica fora", concluiu.
Caravana da Cultura em Santos
O Ministro Juca Ferreira e sua comitiva desembarcaram em Santos logo pela manhã e se dirigiram ao Instituto Arte no Dique, Ponto de Cultura na Zona Noroeste de Santos que atende a comunidade do Dique da Vila Gilda. A entidade, que realiza oficinas e ações culturais voltadas à inclusão social e à valorização da cultura local, preparou apresentações especiais para o dia. Entre elas, uma roda de capoeira e músicas tocadas pela banda Querô, grupo formado na oficina de percussão em 2013 e que já se apresentou pelo Brasil e no exterior.

Em seguida o ministro almoçou com prefeitos da Baixada Santista e conheceu o Museu do Café, no centro da cidade. O espaço sediou a Bolsa de Café, onde as negociações do produto, principal fonte de riqueza do País na época, foram feitas até 1957. Durante a visita, o ministro visitou a sala do pregão e degustou um café na cafeteria do museu, além de conversar com visitantes e estudantes que estavam no local.

Às 14h30, os secretários Ivana Bentes e Guilherme Varella visitam o Instituto Querô, organização que utiliza o audiovisual como ferramenta para estimular talentos, promover a inclusão cultural, transmitir valores, desenvolver o empreendedorismo e dar voz a jovens que vivem em condições de alto risco social. Enquanto isso, o ministro participava de reunião prévia com secretários e autoridades da região, debatendo mudanças na Lei Rouanet, questões orçamentárias, ações e programas do Ministério.

A última etapa da caravana foi a realização da Roda de Conversa. Promovida pelo Ministério da Cultura (MinC), a Caravana da Cultura está em sua sexta edição e já passou por várias cidades do país, como Fortaleza e Região do Cariri(CE), São Luís (MA), Salvador (BA), Belo Horizonte (BH) e Recôncavo Baiano.