Assista nossos Programas

terça-feira, 23 de junho de 2015

Documentário sobre João Carlos Martins encerra programação especial da TV Cultura

João Carlos Martins -  Foto: Divulgação




João Carlos Martins, o piano como destino, produzido pela emissora sobre a carreira do pianista, vai ao ar no dia 27 de junho (sábado), às 21h30, em homenagem ao seu 75º aniversário

“Eu luto quando toco piano.” – João Carlos Martins



São Paulo, 23 de junho de 2015 – No próximo sábado, dia 27 de junho, às 21h30, a TV Cultura leva ao ar documentário especial sobre a carreira de pianista de João Carlos Martins. O especial João Carlos Martins, o piano como destino foi produzido em homenagem ao seu 75º aniversário.

Artista talentoso que arrebatou as plateias dos Estados Unidos com apenas 21 anos de idade, João Carlos Martins tem vivenciado uma luta constante com o seu instrumento.

Um verdadeiro atleta do piano, sempre buscou a perfeição e por duas vezes enfrentou impedimento para tocar. Por longos anos, em épocas diferentes, teve que forçar os limites do possível e do impossível para voltar ao teclado. Nem a dor, nem a falta de recursos e tecnologia disponíveis o fizeram parar. Em seu depoimento durante o documentário, João Carlos Martins declara: “Eu luto quando toco piano” .

Mais que uma história clássica de superação, o músico foi da glória dos palcos americanos, com a aclamação da crítica e público que o compararam ao gênio canadense Glenn Gould, ao envolvimento com a política. Teve ainda atuação como empresário de Éder Jofre, que o levou ao título mundial, e foi agraciado com um sonho profético com o maestro Eleazar de Carvalho.


Cronologia

Por influência do pai – José da Silva Martins, que queria ser pianista e perdeu a mão num acidente de trabalho – os três filhos foram estudar piano. Ives Gandra se tornou jurista, João Carlos e José Eduardo, pianistas.

João Carlos Martins conta como foram seus anos estudando piano com José Kliass; o incentivo que recebeu em casa tanto da mãe como do pai e os irmãos; o recital que tocou aos 12 anos de idade no Teatro Colombo, no bairro do Brás, e que o tornou conhecido em São Paulo como Wunderkind; o convívio e as opiniões de grandes artistas como Heitor Villa-Lobos, Guiomar Novaes; e a sugestão do pianista suíço Alfred Cortot para tentar carreira for a do Brasil, que mudou sua vida.

Ele conta sobre a dificuldade que teve para se impor como estrela internacional do piano, com todos os percalços e conquistas, de menino prodígio a maestro. Perfeccionista, sempre buscando o melhor, forçou todos os limites para ir além.

A carreira nos Estados Unidos começou em 1959, em Porto Rico, e no concerto de 21 de abril de 1961, em Washington (EUA), quando estreia o Concerto de Ginastera e Martins projeta-se internacionalmente. Na plateia desse momento histórico estava presente a ex-primeira dama americana, a mecenas Eleanor Roosevelt.

João Carlos Martins sempre teve uma predileção pela obra de Johann Sebastian Bach, e suas interpretações das Variações Goldberg se tornaram extrema e rapidamente admiradas nos Estados Unidos. Surge então uma comparação inevitável – e, depois, a rivalidade – com o canadense Glenn Gould. O crítico norte-americano David Dubal definiu assim as duas visões da obra de Bach: “Gould é Polo Norte e João Carlos Martins, os trópicos.”

O primeiro problema com a mão acontece em 1967, durante um jogo de futebol no Central Park (Estados Unidos). João Carlos consegue tocar por mais dois anos, mas parou em 1969 devido a uma crítica negativa do New York Times. Torna-se então empresário do pugilista Éder Jofre, que se torna campeão mundial. Ao ver o atleta festejando a vitória, se achou covarde e decidiu que voltaria a tocar.

Na década de 1970, volta aos palcos e grava a integral de Bach a pedido de seu pai.

Nos anos 80, ocupa o cargo de Secretário da Cultura do Estado de São Paulo. Poucos anos depois sofre um assalto em Sófia, na Bulgária, e para de tocar novamente. Parte então para buscar todos os recursos possíveis da medicina e para a criação de novas maneiras que possam fazê-lo voltar a tocar.

Os amigos o ajudam até em sonho: impossibilitado de tocar, sonha com o maestro Eleazar de Carvalho, que o aconselha a aprender a reger.

Fatos inéditos que estão neste documentário

João Carlos Martins mostra a carta do pai do pianista Glenn Gould à época da inauguração do Memorial no Canadá. Conta que pouco antes do Gould morrer, conversou com o canadense por telefone durante três horas. Ele revela pela primeira vez o conteúdo da conversa.

Depoimentos de Ricardo Kotscho, Zé Celso Martinez, Ives Gandra, Sônia Muniz, Diogo Pacheco, Júlio Medaglia, Gilberto Tinetti, Arthur Moreira Lima, Ênio Squeff e João Marcos Coelho. Roteiro de Cristiane Macedo, roteiro e edição de Luís Antônio Giron, e direção de José Roberto Walker.