Assista nossos Programas

terça-feira, 2 de junho de 2015

Cantor JAU lança CD Lázaro com produção de Vania Abreu



A Bahia é sol e dendê. É Farol da Barra. É lambuzar o dedo na lambreta. É bolo de peixe no Bar de Sousa. É Ba-Vi no domingo de tarde. É Gil, Caetano, Dorival, João, Gal, Bethânia.

Mas a Bahia é mais coisa. A Bahia também é luau. Também é noite. Também é trabalho – e muito. Também é trânsito, urbana. Também é disco, rock, tecnho. A Bahia também é macarrão ao sugo. A Bahia é tudo isso.

A Bahia também é JAU. O artista.

E esse é o principal mérito desse album: mostrar que a Bahia continua sendo a de Todos os Santos, mas alguns deles menos conhecidos do público. A Bahia é sol e pé na areia, mas não é só isso. É batucada, mas também é eletrônico (com bom gosto, sem querer parecer Londres).

Para isso, para achar essa Bahia de Jau, muita conversa com Vânia Abreu, a produtora do disco. Vânia, experiência de mais de 40 anos de Bahia e discos e mais discos lançados, trouxe o Jau moderno como ele é. Em seguida, Vânia trouxe Rodrigo Petreca, produtor e músico. Que veio com ideias, teclados e guitarras. E também trouxe Minas Gerais, seu estado de origem. Misturamos dendê com doce de leite para ter o Jau autêntico.

Mas como é o Jau autêntico ?

Bom, o Jau de verdade tem violões. Pela primeira vez, Jau toca todos os violões do disco. Sem firulas. Você vai ouvir o violão como ele é. Sem preciosismos, quase tosco. E ainda assim sofisticado. O Jau de verdade tem eletrônicos, sim. Não é mais exclusividade da cena berlinense de música. O Jau de verdade também tem percussão e baixo feitos com a boca. Beats e Grooves. É eletrônico e também orgânico (como a Bahia). O Jau é pra dançar – mas na pista também, não só na rua.

Jau é voz. Uma voz que não tem igual em toda Bahia. Coisa bem fácil de se perceber, assim que ele canta a primeira nota. Jau é referência no canto. E pra ser referência no canto, lá na Bahia, rapaz, é preciso muita voz.

Jau é bastante coisa. Mas também não é. Não é a tradição harmônica e até percussiva dos metais da Bahia. Jau não é sopro, não é teclado imitando sopro. Não é o reggae como conhecemos, pasteurizado. Jau não é repenique.

E não é só Jau. Jau é Lázaro também, de batismo. Nos pareceu natural que um album que quer mostrar o outro lado da Bahia também tivesse, como nome, o outro lado de Jau. O conhecemos pelo primeiro nome. O segundo completa a história. Termina a personalidade.

Jau é de tudo, um pouco. Pouco mesmo. Tirando o excesso, ficamos só com o melhor. E é isso que você vai ver.


Bem vindo à Bahia que você não conhece. Mas que existe de verdade. Agora, para muitos.

Lusa Silvestre



Friends Music

Sob a direção artística de Vania Abreu, a Friends Music está no mercado para fazer música que dê vontade de tocar, cantar, dançar, de ver e ouvir mais de uma vez. Música que mova ideias, braços e pernas, pensamentos, sentimentos. Que mova e tire sua imaginação do lugar. Música que inspire. Som bom.

O selo é dinâmico e aberto a parcerias com artistas independentes, como a economia da música manda hoje em dia. Cada um faz uma parte para viabilizar a produção e a música. Deste pensamento, o selo criou dois catálogos: Friends e Brothers. Música que sai pelo catálogo Friends foi produzida pelos Friends. E música que sai pelo catálogo Brothers, a Friends Music é a parceira executiva.

A produtora tem história no mercado publicitário e conta com uma equipe de criadores, compositores, arranjadores, multi-instrumentistas, programadores, Djs, engenheiros de gravação e mixagem e uma equipe de atendimento e administração que juntos consolidam a conexão dos processos.



Em 2014 colocou no mercado o coletivo Os Marchistas (catálogo Friends) e a cantora Thathi (catálogo Brothers).



Uma Produção Friends Music Group

https://soundcloud.com/friends-music-2