Assista nossos Programas

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Banda Sinfônica do Estado de São Paulo é sacrificada pelo governo estadual

Músicos da Banda Sinfônica e Sindicato dos Músicos protestam
 em frente à Secretaria da Cultura - Foto: Divulgação
Por: Claudia Souza

Os músicos da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, reuniram-se na tarde de hoje (27/01), para um concerto protesto em frente a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, na Rua Mauá no centro da Capital, a fim de reivindicarem seu direito ao trabalho no exercício da cultura em 2017.

Ao tomarem conhecimento dos cortes das verbas culturais e a possível desintegração da Banda, no ano passado, chegaram a realizar vários concertos no saguão da Assembleia Legislativa, pedindo apoio para os deputados à sua causa.

Sensibilizados, os deputados, liderados por Fernando Capez e Cauê Macris do PSDB, aprovaram uma emenda parlamentar à toque de caixa, que garantiria o valor de R$ 5 milhões em prol da Banda Sinfônica. A grande decepção, foi o contingenciamento desta verba para outros fins, pelo governador Geraldo Alckmin e o constrangimento, ao verificarem que estavam fora do edital de cultura.

A verba cultural para as Orquestras sinfônicas desde 2014 até agora, teve redução de aproximadamente 35% no orçamento.

O responsável pela gestão integral das atividades de fomento da Banda Sinfônica é o Instituto Pensarte, uma organização social de cultura, que além da Banda Sinfônica, coordena as atividades no Theatro São Pedro e a Orquestra Jazz Sinfônica. Neste ano, deve receber cerca de R$22 milhões, segundo apurou a Folha de São Paulo, R$6 milhões a menos do que no ano passado.

A Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, existe desde 1989 e atualmente é regida pelo Maestro Marcos Sadao Shirakawa.

O governo do Estado, assim como a Prefeitura de São Paulo, parecem estarem dispostos a minarem a boa arte e a cultura do Estado e da maior cidade do país. Enquanto um detento custa ao governo R$5 mil, conforme tem sido divulgado na mídia, músicos que elevam almas através da música de boa qualidade, tem o seu espaço cada vez mais reduzido. Enquanto o Fundo Penitenciário Nacional receberá R$51 milhões do governo federal para melhorar a vida de quem destrói vidas alheias, regula-se R$5 milhões para a manutenção de uma Banda Sinfônica, com músicos que trabalham mais de oito horas por dia dedicando-se aos estudos e a apresentarem o melhor da cultura musical para a população.

Se presidiários, criminosos de alto escalão, receberão total apoio para num futuro próximo, atearem fogo em construções e pertences novos em suas celas, por que grafiteiros e músicos em São Paulo perdem cada vez mais espaços e incentivos?

É decepcionante para os paulistas saberem que pagam impostos altíssimos para ampliação dos cuidados com os criminosos e que apesar da fortuna que se arrecada, tratamos os nossos melhores músicos e artistas gráficos, como objetos descartáveis.

Todos perdemos: os músicos, que de trabalhadores, passarão a desempregados, num país em que a boa música não tem divulgação, nem tampouco espaço. O povo, perde por não poder desfrutar de mais momentos de lazer cultural. A cultura popular, também perde, porque se os melhores músicos do país são renegados à segundo plano, o que dirá os populares sem acesso à mídia?

Até o momento, nem o Secretario da Cultura do Estado José Roberto Sadek ou o governador Geraldo Alckmin  não se pronunciaram sobre o que pretendem fazer à esse respeito.

Os representantes do  Sindicato dos Músicos do Estado de São Paulo e da Ordem dos Músicos do Brasil têm estado presentes, participando das manifestações dos músicos da Banda Sinfônica. No entanto, o Secretário da Cultura do Estado, recusou-se a receber o Presidente do Sindicato dos Músicos de São Paulo e somente três músicos tiveram acesso à sala de reunião. Segundo o Maestro da Banda Sinfônica de São Paulo, Marcos Sadao Shirakawa, a verba de R$5 milhões pleiteada pelos músicos continua contingenciada.

A verba foi designada em 22/12/2016
De acordo com o Projeto de Lei 750/2016, ficou contigenciado o valor de R$20 milhões, sendo assim, o governo poderia restituir para a Banda Sinfônica de São Paulo os R$5 milhões para a sua manutenção.

Reserva de contingência 


Portanto, ou a opinião pública se manifesta, os grandes empresários apoiam a Banda Sinfônica de São Paulo em prol da cultura, ou estes músicos estarão desamparados e vinte e oito anos de uma bela história, de muito trabalho e dedicação, serão jogados no lixo.

Talvez o Brasil esteja precisando ser "FECHADO PARA BALANÇO".

Chegou o tempo de cobrarmos das autoridades maior eficiência no trato dos recursos públicos em sua aplicação nas causas nobres e nas pessoas íntegras e honestas. Emprega-se mais dinheiro aos que tiram oportunidades e aos que contribuem para a elevação cultural?  recebem cada vez menos? - A INVERSÃO DE VALORES ESTÁ ATINGINDO ÍNDICES ALARMANTES E PREOCUPANTES...

A democracia não está parecendo tão democrática ultimamente...


Link:
http://www.al.sp.gov.br/spl/2016/10/Propositura/1000005738_1000009839_Propositura.pdf