Assista nossos Programas

terça-feira, 23 de agosto de 2016

QUARTETO DA CIDADE APRESENTA OBRAS DE BEETHOVEN E BRAHMS NA SALA DO CONSERVATÓRIO



Espetáculo faz parte da série Olimpíadas e homenageia a Alemanha; ingressos custam R$ 25.

Na próxima apresentação da série Olimpíadas, em que o Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo homenageia nações que fazem parte da história dos Jogos, serão executadas obras de dois compositores alemães: o Quarteto, Op. 95, de Ludwig van Beethoven; e o Quarteto Op. 67, de Johannes Brahms. O concerto acontece na quinta-feira (25/8), às 20h, na Sala do Conservatório (na Praça das Artes). Os ingressos custam R$ 25.

Um dia antes, na quarta-feira (24/8), às 18h, o grupo formado por Marcelo Jaffe (viola), Betina Stegmann e Nelson Rios (violinos) e Robert Suetholz (violoncelo) faz ensaio aberto ao público com entrada franca, também na Sala do Conservatório.

Este quarteto de Beethoven, também conhecido como Serioso – andamento indicado do terceiro movimento – teve sua estreia em 1814. Trata-se de uma das últimas obras compostas pelo mestre alemão antes de ter sido afetado pela surdez. Em seguida, o Quarteto interpreta o Quarteto Op. 67, de Brahms. Com quatro movimentos, a peça foi composta em 1875.

A série Olimpíadas conta com oito apresentações - compositores do Brasil, da República Tcheca, França e Áustria já foram homenageados.

Mais uma série

Além da série Olimpíadas, o Quarteto preparou mais uma série: Convidados. “Ela poderia perfeitamente se chamar “parcerias”. Ao abrirmos a formação de quarteto, fomentamos o encontro com músicos que enriquecem nossas possibilidades estéticas e criativas”, explica Jaffé.

A série também terá oito apresentações, em que Jaffé, Rios, Suetholz e Betina recebem artistas de diversos estilos e instrumentos, para fazer experimentações. Já se apresentaram com o Quarteto neste ano, Nicolau de Figueiredo, André Mehmari, Fernando Tomimura e Nailor Proveta, Edson Alves e Edmilson Capeluppi. Os próximos serão com, Luís Afonso Montanha, Ricardo Ballestero e Nelson Ayres.


SERVIÇO

25/8, quinta-feira, 20h
Sala do Conservatório (Praça das Artes)
Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo: Série Olimpíadas
Betina Stegmann e Nelson Rios, violinos
Marcelo Jaffe,viola
Robert Suetholz, violoncelo

LUDWIG VAN BEETHOVEN Quarteto, Op. 95
I. Allegro con brio
II. Allegretto ma non troppo
III. Allegro assai vivace ma serioso
IV. Larghetto espressivo; Allegretto agitato

JOHANNES BRAHMS Quarteto Op. 67
I. Vivace
II. Andante
III. Agitato (Allegretto non tropo)
IV. Poco allegretto con variazioni





* Programação sujeita a alterações.





Praça das Artes – Sala do Conservatório
Av. São João, 281– Centro – São Paulo.
Próximo às estações Anhangabaú e São Bento do Metrô
Ingressos: R$ 25 (com meia-entrada)
Capacidade: 200 lugares
Duração: Aproximadamente 60 minutos
Classificação etária: A partir de 10 anos.
www.compreingressos.com/theatromunicipaldesaopaulo

Bilheteria Sala do Conservatório – Praça das Artes
De segunda a sexta das 13h às 19h.
Sábado, domingo e feriados das 11h às 17h.
Em dias de espetáculos, até o início do evento;

Bilheteria do Theatro Municipal
De segunda a sábado das 10h às 19h.
Domingo das 10h às 17h.
Nos espetáculos à noite, até o início do evento;
Em dias de espetáculos pela manhã, a partir das 9h.





TEXTOS DE APOIO

Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo

Considerado um dos mais ilustres ensembles da América Latina, o Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo foi fundado em 1935 por iniciativa de Mário de Andrade, então diretor do Departamento de Cultura de São Paulo. Inicialmente com a denominação de Quarteto Haydn, com a premissa de difundir a música de câmara e estimular compositores brasileiros à composição de novo repertório do gênero, o grupo passou a se chamar Quarteto de Cordas Municipal a partir de 1944, chegando à sua forma definitiva em 1981, como Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo.

A atual formação conta com os violinistas Betina Stegmann e Nelson Rios, o violista Marcelo Jaffé e o violoncelista Robert Suetholz, músicos de intensa atividade no cenário musical brasileiro e de prestígio internacional, que se destacam também pela atuação em concertos, recitais e atividades pedagógicas.

O Quarteto apresenta-se constantemente em várias cidades brasileiras, na América Latina, Estados Unidos e Europa, em eventos como a Feira do Livro de Frankfurt, na Alemanha; o Festival de Música de Saragoza, na Espanha; e o Festival Internacional de Música de Morelia, no México. Realiza também intercâmbio com universidades norte-americanas, levando o repertório brasileiro àquele país em várias oportunidades.

No Brasil, além da participação nos mais importantes festivais e cursos de música, desenvolveu projetos de estímulo a jovens instrumentistas por meio de concursos e de concertos didáticos em escolas da rede pública, universidades e escolas de música. Em concertos comentados, o Quarteto apresenta o amplo repertório para a formação, inclusive o de vanguarda, promovendo o contato do público com todas as tendências e escolas de composição, como parte do projeto original do grupo, de fomento e formação de plateias. Parte significativa deste trabalho se dá com obras dedicadas ao grupo.

Recebeu em sete oportunidades o prêmio de Melhor Conjunto Camerístico da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e por três vezes o Prêmio Carlos Gomes.

MÚSICOS

Betina Stegmann - Violino

Nascida em Buenos Aires, Betina Stegmann começou os estudos de violino em São Paulo com Lola Benda, continuando-os com Erich Lehninger. Diplomou-se pela Escola Superior de Música de Colônia, onde cursou a classe de violino de Igor Ozim e a classe de música de câmara do Quarteto Amadeus. Seguiu logo após para Israel, onde se aperfeiçoou com Chaim Taub em Tel Aviv. Mais tarde frequentou cursos ministrados por Pinchas Zukerman e Max Rostal. Como recitalista e solista, apresentou-se em várias cidades do Brasil, Argentina, Itália, Alemanha, Estados Unidos e Bélgica. Realizou gravações nas rádios WDR (Alemanha) e na RAI – Trieste (Itália), estreando obras de compositores contemporâneos. Ex-integrante do Quinteto D’Elas, com quem ganhou em 1998 o Prêmio Carlos Gomes na categoria de música de câmara, é spalla da Orquestra de Câmara Villa-Lobos e professora de violino na Faculdade Cantareira.

Nelson Rios - Violino

Iniciou a formação musical na Escola de Música de Piracicaba, sob orientação de Maria Lúcia Zagatto e posteriormente de Elisa Fukuda. Participou dos principais festivais de música no Brasil (Campos do Jordão, Brasília, Londrina e Curitiba) e em Mendoza, na Argentina. Bacharel em música pela Faculdade Mozarteum, graduou-se também em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Como bolsista da Fundação Vitae, frequentou a Carnegie Mellon University em Pittsburgh, EUA, em 1996. Integrou a Orquestra Sinfônica da Paraíba, de Câmara de Blumenau e a Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, entre outras. Como professor, lecionou na Escola Municipal de Música e em importantes Festivais no Brasil e no exterior. Atualmente é membro das orquestras de Câmara Villa-Lobos e Sinfônica da USP.

Marcelo Jaffé - Viola

Aos seis anos de idade, orientado pelo pai, Alberto Jaffé, Marcelo iniciou o estudo de violino. Em 1977, aos 14 anos, passou a tocar viola, ganhando, no mesmo ano, o 1º Prêmio no Concurso Nacional da Universidade de Brasília. Após aperfeiçoamento na Universidade de Illinois e no Centro de Música de Tanglewood, nos Estados Unidos, apresentou-se em vários países, participando de destacados conjuntos camerísticos e orquestrais. Atuou como Maestro da Kamerata Philarmonia e foi diretor artístico da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Atualmente, residindo em São Paulo, é professor de viola da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e apresentador da Rádio e TV Cultura.

Robert Suetholz - Violoncelo

Natural de Milwaukee, EUA, trabalhou sob orientação de George Sopkin e Wolfgang Laufer, do Quarteto Fine Arts, e Uzi Wiesel, do Quarteto de Cordas de Tel-Aviv, Israel. Durante o ano de 1997 obteve o seu Mestrado em Violoncelo, sob a orientação de Hans Jørgen Jensen, da Universidade de Northwestern, em Chicago (EUA). Completou seu Doutorado em Música na Universidade de São Paulo em 2011. Atuou em várias orquestras internacionais, como a Israel Sinfonietta (três anos como spalla) e a Orquestra Sinfônica de Milwaukee (EUA), entre outras. Desde 1985 reside no Brasil e foi spalla dos violoncelos das orquestras sinfônicas da USP, do Estado de São Paulo e da Sinfonia Cultura – Orquestra da Rádio e TV Cultura. É professor de violoncelo no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da USP.