Assista nossos Programas

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

SÃO PAULO COMEMORA O DIA MUNICIPAL DO MÚSICO

Por: Claudia Souza


Para homenagearem os músicos da cidade de São Paulo, o vereador Toninho Paiva juntamente com a Ordem dos Músicos do Brasil, realizaram uma solenidade no salão nobre da Câmara dos Vereadores em São Paulo, que reuniu aproximadamente 200 pessoas entre músicos, políticos e artistas.

Presidindo a mesa estavam o Vereador Toninho Paiva (PR), Professor Roberto Bueno, presidente do Conselho Regional da Ordem dos Músicos em São Paulo e o Deputado Arnaldo Farias de Sá (PTB) e como convidados os senhores: Gerson Tajes - Presidente do SINDMUSSP - Sindicato dos Músicos do Estado de São Paulo; Ribas Martins - Vice-Presidente da OMB/CRESP; Sra. Eulália Aparecida Santos Ramos - Diretora Tesoureira da OMB/CREP; Raimundo José, cantor e Conselheiro da OMB/CRESP; Roberto Luna, cantor; Vera Lucia Davenia, pianista e Conselheira da OMB/CRESP e a Diretora da Revista Metrópole Katie Sant'Anna.

A abertura do evento foi realizada com a apresentação da Banda Musical da Guarda Civil Metropolitana que também recebeu uma homenagem juntamente com os demais (foto):  Roberto Luna, Osvaldinho da Cuíca, Maestro Silvio Moreno, Expedito Moura, cantora Martinha, João de Almeida e Silva, Maria Cristina Barbato - OMB/CRESP, Gerson Ferreira Tajes - SINDMUSSP e OMB/CRESP , Walter Mana, Maestro Ricardo Rossetto Mielli, Maestro Adylson Godoy, Violonista Robson Miguel e a cantora Adriana Farias.

Entre as entidades assistenciais que o Conselho Regional da Ordem dos Músicos de São Paulo assiste com apoio operacional para o ensino musical, estavam o Grupo Terapêutico Amor e Vida, Movimento Estadual da População em Situação de Rua, Instituto Santa Terezinha do Menino Jesus, Banda Jataí (Deficientes Visuais); Casa Restaura-me, Coral da OMB, entre outras que se apresentaram com seus grupos em pockets shows.

O Deputado Arnaldo Faria de Sá em sua exposição elogiou o trabalho social que a OMB/CRESP vem realizando e disse que faz tudo o que pode para ajudar a Ordem dos Músicos lá em Brasilia... "Eu quero ser testemunha aqui de um detalhe importante: O Rock In Rio aqui no Brasil só aconteceu porque o Alemão (Gerson Tajes) foi até o Rio de Janeiro e resolveu algumas pendências que estavam sendo apresentadas por cantores estrangeiros... Ele foi lutar para dar a oportunidade de se realizar um grande evento no Brasil, mas que era compensação para cantores brasileiros...Talvez ninguém saiba que você faz isso"... Disse olhando para o Presidente do SINDMUSSP e concluiu a fala agradecendo a Deus.

O Professor Roberto Bueno da OMB/CRESP fez questão de entregar o Diploma de Honra ao Mérito para Gerson Ferreira Tajes, que além de Presidente do SINDMUSSP também ocupa o cargo de Conselheiro Efetivo da Ordem dos Músicos - DF, ressaltando que Gerson será o futuro presidente do Conselho Federal da Ordem dos Músicos do Brasil. "Quero dizer que para mim é um motivo de satisfação estar representando uma categoria que esteve abandonada por mais de 40 anos e estou lutando junto com os meus companheiros, diretores e junto com a OMB. Não é fácil tirar o nome de uma instituição que estava no fundo do poço, quando se tem 99% contra, para se poder adquirir respeito e dignidade e a valorização da nossa profissão, mas em nome de Jesus eu vou vencer, junto com Roberto e junto com todos vocês..." Disse Tajes.

SITUAÇÃO DO MÚSICO TRABALHADOR NO BRASIL

Como disse Gerson Tajes em seu discurso, 99% dos músicos são contra. Devido ao desinteresse por parte do Sindicato dos Músicos de SP e da OMB/CRESP ter permanecido durante quatro décadas nas mãos de Wilson Sandoli, pouco ou quase nada foi feito em prol da categoria dos músicos ao longo dos anos.

Ao contrário de vários sindicatos e autarquias de classe, a categoria dos músicos não possui nada para chamar de seu a não ser as sedes que de uma hora para outra poderão ser vendidas para quitar as contas das instituições que passam por sérias dificuldades.

Os músicos, órfãos como se sentem, à cada dia mais, entram com pedidos de liminares na justiça pela desobrigação da apresentação da carteira de músico e do pagamento das anuidades, alegando o mau uso por parte das mesmas.

Denúncias estão sendo realizadas à todo vapor por músicos descontentes e ex-funcionários; ações judiciais de ordem trabalhista e de brigas antecedentes das lideranças em São Paulo, além de uma administração financeira sem transparência, parece aumentar ainda mais na classe dos músicos, a dúvida entre incompetência ou improbidade administrativa.

Tudo leva à crer que a falta de planejamento estratégico financeiro está deixando os cofres vazios depois do corte do recolhimento do artigo 53 (recurso advindo da receita dos shows internacionais) o que está prejudicando ainda mais a administração, que ao invés de se empenhar na busca pela defesa do músico dentro do aspecto "coletivo" e junto às esferas governamentais, acaba tendo que nadar contra a maré para tentar salvar um barco que está indo de encontro a um iceberg.

Os músicos por sua vez, como sempre, desinteressados com o que se passa a respeito da sua profissão, parecem desconhecer a luta dos antecessores para que a ATIVIDADE de músico, fosse reconhecida como PROFISSÃO. Para a nova geração, tanto faz, fazer da música uma OCUPAÇÃO e que pelo andar da carruajem, com raríssimas exceções, tornar-se à SEM FINS LUCRATIVOS. Haja vista que inúmeras casas noturnas em São Paulo têm a indecência de cobrar dos músicos para que eles toquem no espaço ao invés de pagarem cachês.

A dignidade do MÚSICO TRABALHADOR anda afetada nos últimos anos, especialmente em São Paulo, aonde as leis do silêncio, lei seca, altos índices de IPTU, inflação, crise, entre outros fatores, tiraram o espaço do músico. Para que não bastasse ainda, o regime político do Brasil, em crise, está cortando o POUCO do incentivo financeiro que apoiava a cultura na cidade, camuflando o deficit com eventos isolados que beneficiam uma pequena minoria.

Sendo assim, há muito o que se fazer EM PROL DOS MÚSICOS, mas seria necessário que A CATEGORIA decida se quer ou não continuar omissa aos seus próprios interesses.

DIA 22 DE NOVEMBRO comemora-se novamente o DIA DO MÚSICO, até lá você decide se pode ou quer colaborar, participar e contribuir para um futuro melhor com muito mais NOTAS MUSICAIS positivas na história da música brasileira.

A união faz a força, mas é necessário que haja vontade política por parte da liderança e interesse por parte dos liderados. "EM TERRA DE CEGOS, QUEM TEM UM OLHO É REI".


FOTOS:


A solenidade realizada pelo Deputado Toninho Paiva e pela Ordem dos Músicos do Brasil, sob a administração do Professor...